I Encontro de Geopolítica da Energia - Petróleo, Mudanças Climáticas e Segurança Alimentar

I ENCONTRO DE GEOPOLÍTICA DA ENERGIA – PETRÓLEO, MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SEGURANÇA ALIMENTAR

04 a 08 outubro 2021 
15h00 às 18h00
evento online em: https://youtube.com/c/uspfflch1
l
ink para inscrição: https://forms.gle/3pKSSNjZMydvCNu76

 

Justificativa

A geopolítica é uma ferramenta de análise dos conflitos no espaço extremamente sofisticada, por muitos até considerada uma arte, utilizada bastante por diversos campos do conhecimento como a Geografia e as Relações Internacionais, e tem cada vez mais diversificado seus objetos. Um deles foi a questão da energia.  A geopolítica da energia foi dominada por muito tempo pelo estudo das questões relacionadas à produção, circulação e consumo de petróleo. Hoje, no entanto, a pressão pela transição energética em direção à diversificação de fontes, normalmente por motivos ambientais, tem direcionado as pesquisas geopolíticas para energias renováveis. Portanto, os estudos acerca da geopolítica energética se encontram em um momento de mudança paradigmática, o que nos compele a ampliar o debate sobre o tema.

A compreensão da disponibilidade, fornecimento e uso das mais diversas fontes de energia conhecidas pelas sociedades humanas, no entanto, vai além do debate reducionista se devemos concentrar nosso planejamento energético em uma fonte ou outra. Um dos conceitos que norteiam esses estudos é o de segurança energética, que também vem sendo ressignificado nos últimos anos, incluindo tanto o interesse estratégico das nações em assegurar suas fontes de energia, como de o fazer de maneira sustentável, atendendo assim às necessidades de preservação ambiental. Contudo, o consumo de energia pelo mundo é uma amostra das desigualdades socioeconômicas existentes entre os países, e mesmo a diminuição da dependência do petróleo não implicaria necessariamente na superação da dicotomia entre países produtores e consumidores. Além disso, a energia é um dos pilares do poder das nações, então sua discussão passa pelas disputas em larga escala, mas também sobre relações assimétricas entre pequenos países e as grandes potências mundiais.

Os combustíveis fósseis, como petróleo e carvão mineral, são fontes tradicionais e altamente geolocalizadas. Com o avanço da agenda ambiental nas organizações multilaterais, seu uso vem sendo questionado por setores políticos e movimentos sociais. Com isso, fontes renováveis, como solar e eólica, estão ganhando espaço, mas surgem a cada dia evidências de seus impactos ambientais, além de sua capacidade produtiva não suprir, ainda, a demanda energética global de maneira eficiente como os fósseis o fazem. A energia nuclear, com os acidentes como o de Fukushima em 2011, sofreu questionamentos acerca de sua segurança e passou a ser desencorajada em alguns países, embora essa fonte ainda seja uma das mais eficientes e menos poluentes entre todas.

Outro aspecto importante envolve as disputas entre visões distintas acerca da geopolítica energética tradicional, muitas vezes associadas aos combustíveis fósseis, termo que às vezes é automaticamente associado com danos ambientais e catalisador do aquecimento global, pois sua queima emite gases que provocam o acentuamento do efeito estufa. Ademais, organizações como a Agência Internacional de Energia (AIE), costumam estabelecer como metas globais até o ano de 2050 justamente que se atinja um patamar de redução completa das emissões de gases estufa, o que na prática implica em zerar o consumo dos fósseis em poucas décadas.

Objetivos

As questões levantadas pela justificativa suscitam debates sobre a viabilidade dos objetivos globais e nacionais acerca dos temas de energia e quais suas ramificações no estudo da geopolítica energética.  Até por esta razão, novas frentes de estudo visam desenvolver uma concepção mais voltada para questões ambientais e que promovam o desenvolvimento sustentável, bem como a cooperação energética entre as nações. Por essas razões, precisamos trazer esses debates para a comunidade científica brasileira, ampliar sua discussão e promover o intercâmbio entre diferentes campos de conhecimento.

Público-Alvo - Comunidade acadêmica geral

 

Programação

04 outubro 2021 – segunda-feira

15h00- Conferência de abertura
Desenvolvimento e cooperação na América Latina: a urgência de uma estratégia renovada
Dom Enrique Garcia, ex-presidente do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF)

16h00 – Mesa 1 – Energia: de onde viemos e para onde vamos?
Especialista em História da Energia – Gildo Magalhães, FFLCH/USP
Especialista em História das Transições Energéticas – Drielli Peyerl, IEE/USP
Especialista em Tecnologias da Energia e Revolução Industrial – Nilton Bispo, IEE/USP
Apropriação Humana da Produção Primária Líquida (HANPP) e Indústria 4.0 – Mariana Moura, Bolsista CNPq

Mediação de Mariana Barbosa, IEE/USP

05 outubro 2021 – terça-feira

15h00 – Mesa 2 – Geopolítica da Energia – Petróleo, Mudanças Climáticas e Segurança Alimentar
Especialista em Geopolítica do Petróleo – Igor Fuser, UFABC
Especialista em Geopolítica da Energia Nuclear, Alexandre Ramos, EACH/USP
Especialista em Geopolítica das Energias Renováveis – Lucas Kerr de Oliveira, UNILA
Especialista em Armazenamento de Energia -lítio boliviano – Herwing Borja, Yacimientos de Litio Boliviano

Mediação de André dos Santos Alonso Pereira, IEE/USP

06 outubro 2021 – quarta-feira

15h00 – Mesa 3 – Sistema Internacional Agroalimentar
Especialista em Geografia agrária, Produção do espaço rural e Movimentos rurais brasileiros – Marta Inez Medeiros Marques, DG/FFLCH/USP
Especialista em Biogeografia, Legislação ambiental, Impactos ambientais e Agricultura de povos nativos e tradicionais – Valérica de Marcos, DG/FFLCH/USP
Especialista em Questão Agrária – Roberta Trespadini, UNILA
Especialista em Comércio Internacional de alimentos e a produção alimentar em regiões áridas – Mateus Cardim Ferreira Lima, FAO/ONU

Mediação de Guilherme Henrique de Paula Cardim, FFLCH/USP

07 outubro 2021- quinta-feira

15h00 – Mesa 4 – Integração Energética da América Latina
Especialista em Recursos Naturais e Energéticos na América Latina – Ildo Luis Sauer, IEE/USP
Especialista em Integração Energética Latino-americana – Alexandre Hage, UNIFESP
Especialista em Integração Produtiva Latino-americana – Nilson Araújo de Souza, UNILA
Especialista em TMD – Nildo Ouriques, UFSC

Mediação de Mariana Moura, Bolsista CNPq

08 outubro 2021

15h00 – Conferência de Encerramento
Mudanças Climáticas, Combustíveis Fósseis e Descarbonização
José Goldemberg, IEE/USP, ex-ministro e ex-reitor da USP

O evento é uma realização conjunta do Instituto de Energia e Ambiente em conjunto com o Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas e o Centro Ibero-Americano do Instituto de Relações Internacionais, todos da Universidade de São Paulo.

O evento conta com o Apoio de: Grupo de Estudos Alte. Thiers Fleming – Departamento de Geografia – FFLCH/USP
                                                           Grupo de Estudos sobre Dialética da Dependência – IEE/USP
                                                           Revista Latinoamericana