Palestra Impactos cumulativos de mudanças climáticas e construção de hidrelétricas em terras indígenas da Amazônia: contribuições teóricas e metodológicas

Início >> Evento >> Palestra Impactos Cumulativos de Mudanças Climáticas e Construção de Hidrelétricas Em Terras
Data: 
segunda-feira, 11 Junho, 2018 - 14:00 até 16:00

O Instituto de Energia e Ambiente - IEE/USP convida para a palestra:

IMPACTOS CUMULATIVOS DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E CONSTRUÇÃO DE HIDRELÉTRICAS EM TERRAS INDÍGENAS DA AMAZÔNIA: CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS

com Profa. Dra. SIMONE ATHAYDE, Universidade da Flórida

11 de junho de 2018
14h00 às 16h00
auditório do IEE/USP - Av. Prof. Luciano Gualberto, 1.289 - Cidade Universitária, São Paulo
transmissão ao vivo em
http://www.iptv.usp.br (sinal aberto somente na data e horário do evento, sem necessidade de senha)
inscrições para participação presencial clique aqui

Os efeitos das mudanças climáticas, como aumento da temperatura, secas prolongadas, chuvas violentas, inundações e o aumento de desastres ambientais, representam ameaças à resiliência de povos indígenas, outras populações tradicionais e comunidades rurais na Amazônia e no mundo. Esta palestra apresenta uma contribuição teórico-metodológica para a temática dos impactos cumulativos e sinérgicos de fenômenos associados com as mudanças climáticas e os impactos da construção de barragens hidrelétricas em terras indígenas da Amazônia brasileira. Algumas questões guiadoras desta palestra são:

a) Historicamente, como tem sido avaliados os impactos cumulativos sinérgicos de obras de infraestrutura e outros fatores de mudança incidindo sobre terras indígenas na Amazônia, em processos de licenciamento ambiental e tomada de decisão?

b) De que forma tem se dado a participação indígena nos procesos de tomada de decisão?

c) Quais são algumas das abordagens teóricas e metodológicas que podem nos auxiliar a entender este problema?

Apresenta-se uma reflexão a partir das propostas teóricas do pós-desenvolvimento e pós-extrativismo, da ética e da justiça socioambiental, e da pesquisa transdiciplinar e participativa. Conclui-se que este é um campo praticamente inexplordo e negligenciado em processos de avaliação de impacto e tomada de decisão, inclusive em relação as informações apresentadas aos indígenas a partir dos EIAs e outros documentos oficiais. Este desconhecimento e descompasso evidencia-se tanto em relação à ciência convencional (multi e interdisciplinar), como por pesquisas transdisciplinares considerando as perspectivas e percepções indígenas, e nas políticas públicas que regulam a tomada de decisão as ações de implantação, mitigação e compensação previstas pela legislação nacional e internacional.

SIMONE ATHAYDE (simonea@ufl.edu - http://uftcd.org/people/core-faculty-staff/simone-athayde-phd/) possui graduação em Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Paraná, mestrado em Botânica pela Universidade Federal do Paraná, mestrado em Etnobotânica pela Universidade de Kent na Inglaterra, e doutorado em Ecologia Interdisciplinar com concentração em Antropologia pela Universidade da Flórida. Possui especialização em Educação Ambiental, Ecologia Humana e Conservação e Desenvolvimento Tropical. Atualmente atua como Professora e Pesquisadora no Programa de Conservação e Desenvolvimento Tropical do Centro de Estudos Latinoamericanos da Universidade da Flórida. É líder, pela UF, da Rede Internacional de Pesquisa sobre Barragens Amazônicas (ADN/RBA).